Home
Saiba Mais...
Ardora
Hot Potatoes
Testes
Textos
Visite
Aprendo_Cri@ndo
Palmares-PE

 

 

 

Creative Commons License

Hospedado em Miarroba

 

RNA e a síntese de proteínas

 

A MOLÉCULA

A molécula de RNA é um polinucleotídeo.

 
Cada nucleotídeo de RNA é constituído por:

  • fosfato (P)

  • ribose (R)

  • base nitrogenada (A – adenina, G – guanina, C – citosina e U – uracila)

   

 Nas células existem três tipos de RNA, que são diferentes na estrutura, peso molecular e função:

RNAm – RNA mensageiro: É sintetizado no núcleo ou no citoplasma. Sua cadeia tem tamanho e peso molecular de acordo com a proteína que irá sintetizar. É formado por uma sequência de triplets ou trincas de bases especializadas em codificar um tipo de aminoácido. Quando codifica mais de um aminoácido diz-se que o código é degenerado. Quando o DNA é duplicado pode ocorrer a substituição errada de uma ou mais bases nitrogenadas, alterando um ou mais códons. Nesse caso poderão ocorrer alterações nas características do indivíduo, é o que se chama mutação gênica.

RNAt – RNA transportador: Tem a cadeia molecular mais curta, comportando de 75 a 100 nucleotídeos. É sintetizado no núcleo e depois migra para o citoplasma onde vai ligar-se especificamente a determinado aminoácido e transportá-lo até o RNAm. Em uma das extremidades ele possui uma trinca de nucleotídeos específica, denominada anticódon, que irá codificar o aminoácido a ser transportado, e na outra extremidade todos eles possuem a trinca ACC, onde se liga o aminoácido.

RNAr – RNA ribossômico: É o RNA de cadeia mais longa e maior peso molecular. É sintetizado e armazenado no nucléolo. Posteriormente associa-se a moléculas de proteínas e forma os ribossomos.

 

A SÍNTESE DO RNA

 

A molécula de RNA é sintetizada a partir do DNA.


A molécula de DNA se abre em certos locais, ficando alguns nucleotídeos livres das pontes de hidrogênio.

Com o auxílio da enzima RNA-polimerase, nucleotídeos de RNA vão se pareando com os nucleotídeos livres do DNA.

Forma-se uma molécula de RNA que se separa e migra para o citoplasma.

O DNA volta a se unir.

 
Nesse processo ocorre a transcrição do código do DNA para o RNA. Cada trinca ou triplet de nucleotídeos encerra uma parcela do código chamada de códon.

 
Nas células procariotas esse processo ocorre no citoplasma, uma vez que as mesmas não possuem núcleo individualizado.

 

 

A SÍNTESE DE PROTEÍNAS

 
As reações químicas celulares são catalisadas por enzimas específicas que são moléculas de proteínas com função catalisadora.

A síntese de proteínas é controlada pelo RNA que por sua vez é sintetizado a partir do DNA.

Existe, portanto, uma ligação indireta entre o DNA e as proteínas.

O DNA está no núcleo e a proteína é sintetizada no citoplasma, o agente intermediário é o RNA.

Várias experiências demonstraram que o DNA contém um código molecular (código genético) que é transcrito para o RNA. Este, através de um processo de tradução, reconhece os componentes da proteína, que são os aminoácidos.

Na síntese de proteínas, a primeira coisa que acontece é um processo de seleção de aminoácidos realizado por enzimas ativadoras, resultando compostos denominados aminoacil-adenilatos. Acredita-se mesmo que aja pelo menos uma enzima ativadora específica para cada um dos aminoácidos que devem ser incorporados para a fabricação da proteína.

Essa ativação de aminoácidos requer energia, que é fornecida pelo ATP (trifosfato de adenosina).

Em seguida, o aminoácido une-se a uma molécula específica de RNA-t. Já foi descrito anteriormente que o RNA-t é uma cadeia molecular simples, enrolada sobre si mesma, constituída por uma seqüência de nucleotídeos, terminando em todos os casos na trinca ACC, onde o aminoácido irá se ligar. E na outra extremidade da cadeia fica a trinca denominado anticódon.

O anticódon determina qual aminoácido se ligará ao RNA-t.

Em seguida ocorre a transcrição, ou seja, a transferência do código do DNA para o RNA-m.

No processo de tradução, os ribossomos, percorrendo a moléculas de RNA-m, de extremo a extremo, alinham as moléculas de RNA-t, com seus aminoácidos, nos códons do RNA-m, complementares aos anticódons do RNA-t.

Os aminoácidos vão se ligando e formando uma molécula de proteína (polipeptídio).

Após a tradução da mensagem do RNA-m, outro ribossomo pode ligar-se ao extremo de outra molécula de RNA-m e, assim, outra molécula de proteína é sintetizada.

 Códons de Finalização e de Iniciação

No código genético existem códons de finalização (UAA,UGA e UAG) que indicam à célula que a sequência de aminoácidos destinada àquela proteína acaba ali. Existe ainda um códon de iniciação (AUG) que indica que a sequência de aminoácidos da proteína começa a ser codificada ali. Este códon (AUG) codifica o aminoácido Metionina (Met) de forma que todas as proteínas começam com o aminoácido Met.

Assim, facilmente percebemos a ligação entre os triplets de DNA e os aminoácidos. Esta linguagem que os une é o que chamamos código genético. No final da década de 60 o código genético foi decifrado, e agora é geralmente representado em uma tabela que estabelece a conexão entre as bases dos códons de RNA e os aminoácidos formados.
 

Tabela do Código Genético

Escute a música dos ácidos nucléicos

 

Amara Maria Pedrosa Silva

 

Atualizado em: quarta-feira, 01 de março de 2017